Decisão do Supremo sobre remédios guiará ações pelo país; entenda – CORREIO | O QUE A BAHIA QUER SABER:

Os processos envolvem o fornecimento de medicamentos não disponíveis no SUS ou sem registro no Brasil

Fonte: Decisão do Supremo sobre remédios guiará ações pelo país; entenda – CORREIO | O QUE A BAHIA QUER SABER:

Consumo de analgésicos à base de ópio dispara no Brasil

medicamentos-tratamento-ansiedade

Levantamento feito pela Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa a pedido de O TEMPO mostra expansão de 63% nas vendas desses medicamentos no país entre 2012 e 2016; nos EUA, vício é responsável pela morte de 78 pessoas por dia

image

MARIANA ALENCAR – PUBLICADO EM 25/09/16 – 03h00
Eles simplesmente mascaram a dor. Não curam nada. Produzem uma euforia de curta duração e têm alto poder viciante. O uso contínuo compromete o sistema respiratório e pode levar à morte.

Os analgésicos narcóticos, ou opioides, se tornaram o pesadelo das autoridades de saúde dos Estados Unidos, onde matam cerca de 78 pessoas por dia – entre elas o cantor Prince, que morreu por overdose de fentanil em abril deste ano. E preocupam especialistas em saúde no Brasil, onde o consumo desses medicamentos cresceu 63% nos últimos quatro anos.

Apenas entre agosto de 2015 e agosto de 2016, os brasileiros tomaram 40 milhões de doses, segundo dados levantados pela Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma) a pedido de O TEMPO.

O faturamento da indústria farmacêutica com os analgésicos narcóticos mais que dobrou nesse período no Brasil, passando de R$ 17,5 milhões em 2012 para R$ 40 milhões em 2016, um crescimento de 128% (os dados referem-se aos 12 meses entre agosto de cada ano).

O professor da Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais Luiz Rogério Gomes Aranha explica que os analgésicos narcóticos agem no sistema nervoso central, e, como normalmente são à base de ópio, além de aliviarem a dor, dão uma sensação de bem-estar. “Por isso viciam. Os mais comuns são a morfina, a codeína e a hidroxicodona”, diz o clínico geral.

O cantor Prince, por exemplo, começou a tomar os analgésicos opiáceos para aliviar dores causadas pelo uso constante de salto alto nos shows. Depois de uma cirurgia nos quadris em 2000, o uso teria aumentado, e ele se tornou dependente.

Tanto nos Estados Unidos como no Brasil, a compra desse tipo de analgésico exige receita médica. Entretanto, isso não impede que as pessoas tenham cada vez mais acesso às substâncias, seja diretamente nas farmácias ou com os próprios médicos.

“Hoje, os pacientes querem soluções cada vez mais rápidas para seus problemas. Então, em vez de optarem por um tratamento preventivo e de longo prazo, eles querem algo que alivie a dor na hora. E, com isso, o médico, que também quer agilidade nas consultas, acaba receitando remédios potentes, como os analgésicos narcóticos”, afirma o neurologista e especialista em medicina do sono Leonardo Maciel.

O clínico geral Luiz Aranha atribui o fácil acesso ao medicamento a falhas na fiscalização. “Para comprar qualquer analgésico narcótico aqui no Brasil é preciso receita. Porém, com o famoso ‘jeitinho brasileiro’, as pessoas conseguem esses medicamentos. E isso pode ser perigoso”, alerta o médico.

Independentemente dos motivos que resultam no consumo dessas substâncias, os médicos alertam para os efeitos negativos resultantes da ingestão desenfreada de medicamentos. “O remédio provoca dependência e, além de causar sedação e sonolência, pode prejudicar a resposta de outros medicamentos. Então, é necessário que o paciente procure um bom médico e esteja disposto a fazer um tratamento de longo prazo”, explica Maciel.

Na outra ponta desse “negócio”, o diretor da Área de Acesso da Interfarma, Pedro Bernardo, afirma, diferentemente do que se imagina, o crescimento do segmento de opiáceos ficou abaixo do esperado. “Estamos em um período de crise, com uma inflação cada vez mais alta, e a indústria, de modo geral, não está faturando muito. A indústria farmacêutica conseguiu passar por esses problemas, e o número foi satisfatório, mas não o ideal”, comenta.

Para ele, o crescimento do consumo de analgésicos tem que ser analisado considerando a composição etária da população e as condições do sistema de saúde locais. “Hoje as pessoas vivem mais, temos cada vez mais idosos no país. E sabemos que os idosos demandam mais medicamentos”, defende Bernardo.

FOTO: MATEUSZ ATROSZKO/STOCKXPERT
0

Desesperada, mulher dá golpe
Apontada por testemunhas como viciada em analgésicos opiáceos, a advogada mineira Míriam Aparecida Camargo está sendo procurada pela polícia. Ela é suspeita de aplicar golpes em motoristas para que eles a levem a hospitais em busca do medicamento petidina, analgésico injetável também conhecido como dolantina.

De acordo com a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), dois motoristas denunciaram ter sido contratados pela advogada, via internet, por salário de R$ 3.000. O serviço: levá-la a hospitais do interior de Minas e até de outros Estados para que ela tome o medicamento. Só que nenhum dos dois recebeu um centavo sequer após rodar com a mulher, que depois desaparece.

Segundo um dos boletins, Míriam possuía uma receita que usava para ter acesso ao medicamento, aplicado apenas em hospitais. (MA)

Vício em paracetamol gera falência do fígado
No Brasil, os analgésicos mais utilizados são paracetamol, dipirona, ácido acetilsalicílico e o ibuprofeno – que, embora seja anti-inflamatório, também é utilizado no alívio de dores. Nenhum deles é opiáceo. São os “não narcóticos”.

O clínico geral Luiz Rogério Gomes Aranha esclarece que esses remédios, ainda que sejam facilmente encontrados nas farmácias e não precisem de receita para serem vendidos, podem trazer diversos prejuízos para o paciente que faz uso contínuo.

De acordo com o médico anestesiologista Paulo Renato Barreiros da Fonseca, membro da Sociedade Brasileira para Estudos da Dora, a causa de maior parte dos transplantes de fígado feitos nos Estados Unidos é o uso de paracetamol. “Essa substância ataca o fígado, podendo comprometer o funcionamento do órgão permanentemente. Além disso, o uso desenfreado dos medicamentos pode acabar ocultando os sintomas de alguma doença mais grave”, alerta.

O neurologista Leonardo Maciel explica que há pacientes que acabam desenvolvendo cefaleia crônica diária devido ao uso de analgésicos. “O paciente começa a usar o remédio para melhorar a dor de cabeça. Mas, com o uso constante, a dor de cabeça acaba voltando e sendo ainda mais forte e resistente aos medicamentos”, alerta.

Para Luiz Aranha, o importante é evitar ao máximo a automedicação, principalmente no caso de idosos, gestantes e crianças. “Quando a dor incomoda e não é recorrente, a pessoa pode tomar um analgésico fraco, como a dipirona. Os anti-inflamatórios somente devem ser usados em segundo caso, e os narcóticos, só com prescrição. Lembrando sempre que idosos e gestantes devem ter ainda um cuidado redobrado com a automedicação, devido aos efeitos colaterais causados pelos medicamentos”, conta.

Lotes de medicamento para câncer de mama e próstata são suspensos

533696944126

533696944126A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu a distribuição, comercialização e uso de 15 lotes do medicamento Destilbenol 1MG (dietilestilbestrol). O medicamento é indicado para o tratamento de câncer de próstata e câncer de mama.

O medicamento foi fabricado com formulação não aprovada pela Anvisa. A empresa fabricante do medicamento, Apsen Farmacêutica, deve recolher o estoque existente no mercado.

 

 

  Lotes proibidos:
Número do lote:

14080009;  14090012;  14090042;   14100021;  15010077;

15040024;  15060013;  15070112;   15060178;  15090006;

15100090;  15100109;  15110142;   15110143;  16010100;

 

Confira a Resolução 2.543/16 publicada nesta terça-feira (20) no Diário Oficial da União (DOU).

 

Fonte: Bemparana

Anvisa suspende 14 medicamentos e cosméticos

images

images

A Anvisa publicou a suspensão de 14 medicamentos e cosméticos no Diário Oficial da União desta segunda-feira (19). Os produtos apresentavam problemas diversos, como falha no fechamento das ampolas, fragmento de vidro dentro da ampola, cancelamento de certificado de boas práticas e outros. Entre os remédios e cosméticos com lotes interditados, estão o Ringer…

Fonte: Anvisa suspende 14 medicamentos e cosméticos – Olho vivo

Antiga tecnologia farmacêutica se aproxima de grande avanço

Antiga tecnologia farmacêutica se aproxima de grande avanço

A substituição de uma forma mais pesada do elemento gasoso nos medicamentos pode desacelerar a decomposição deles pelo corpo, deixando-os na corrente sanguínea por mais tempo. Isso significa que um paciente pode tomá-los com menor frequência — e isso, em teoria, pode reduzir a severidade dos efeitos colaterais.

Embora a tecnologia exista há 40 anos, foi preciso todo esse tempo para entendê-la suficientemente bem para submeter um tratamento do tipo à Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês). O órgão regulador está analisando aquele que seria o primeiro medicamento produzido com deutério, ou hidrogênio pesado: uma pílula da Teva Pharmaceutical Industries para tratar um sintoma da doença de Huntington. A fabricante de medicamentos israelense planeja apresentar mais dados à FDA até o fim do mês e está confiante de que o medicamento chegará aos pacientes no ano que vem.

“Trata-se de um novo conceito e a aprovação da FDA trará muito mais clareza a essecampo”, disse Graham Timmins, professor associado da Universidade do Novo México que estudou a tecnologia, conhecida como deuteração.

 

Fonte: Antiga tecnologia farmacêutica se aproxima de grande avanço